Retinopatia: saiba os riscos para a visão do diabético

fev 16, 2011 por Lotten Eyes    3 Comentários    Postado em: Retinopatia

Diabetes é uma doença crônica que tem se tornado mais frequente com o envelhecimento da população e a adoção de hábitos de vida pouco saudáveis.

O olho é umas das estruturas do nosso organismo que sofre as consequências da diabetes, quando esta não é bem cuidada.

A retina é a região vascularizada do fundo do olho que pode apresentar hemorragias, alterações dos vasos e inchaço no centro da visão, o que vai gerar sintomas de baixa acuidade visual quando houver um comprometimento importante. Mas quando bem monitoradas, as alterações podem ser detectadas de forma precoce e passamos a cuidar delas mais de perto. Ou seja, uma consulta com um oftalmologista periodicamente deve fazer parte da rotina de uma pessoa que tem diabetes, mesmo sem nenhum sintoma na visão.

As alterações no fundo do olho devido ao diabetes são conhecidas como Retinopatia Diabética. Existem dois tipos:

Retinopatia diabética não proliferativa (RDNP): é a forma inicial da doença. É detectada quando os vasos do fundo do olho estão danificados, causando hemorragia e vazamento de líquido na retina, que é conhecido como Edema de Mácula Diabético. Muitos pacientes manifestam a forma leve ou moderada da RDNP e podem até não apresentar nenhum sintoma visual.

Retinopatia diabética proliferativa (RDP): apresenta grande risco de perda de visão. Ela é diagnosticada quando os vasos da retina ou do nervo óptico não conseguem trazer os nutrientes para o fundo do olho e, por consequência, há a formação de vasos anormais que causam o sangramento.

Os estágios inicias da Retinopatia Diabética normalmente não apresentam sintomas visuais. Somente o exame com a pupila dilatada pode detectar se há alguma alteração no fundo do olho antes mesmo que os sintomas apareçam. Quanto mais cedo forem tratadas as alterações, maiores serão as chances de preservar a visão. Os pacientes com diabetes devem realizar pelo menos um exame de fundo de olho por ano e, caso apresentem alguma alteração da Retinopatia Diabética, são necessárias consultas mais frequentes. Os sintomas (nos estágios moderado e avançado da doença) são: perda de visão central e periférica, vista embaçada e distorcida, além de manchas na visão.

O controle cuidadoso da diabetes deve ser feito com uma dieta adequada, uso de medicamentos hipoglicemiantes, insulina ou com uma combinação destes tratamentos, prescritos pelo médico endocrinologista e que são a principal forma de evitar a Retinopatia Diabética.

Os pacientes diabéticos têm uma maior predisposição de apresentar outras doenças oftalmológicas, como catarata, glaucoma, desvios oculares, doenças da córnea e susceptibilidade a infecções. Portanto, o acompanhamento periódico com o oftalmologista é importante para a prevenção, o controle e o tratamento de quem possui diabetes.

Dra. Erika Sayuri Yazaki, especialista em retina.

3 Comentários Comentar

  • Gostaria de receber sempre noticias sobre doenças oculares.
    Sou diabetica já fazem 15 anos.
    A doença embora controlada é sempre um motivo de preocupação.
    Estou com blefarite o que me incomoda muito.
    Gostaria de receber alguma informação sobre blefarite.

    Obrigada Sylvia

  • Boa tarde,
    Tenho 51 anos, nos últimos 3 anos tenho sentido que a minha vista cada vez está mais fraca, especialmente a visão do olho direito. Já uso óculos para visão ao perto à cerca de 10 anos.
    Este ano fui à consulta de rotina e o oftalmologista aconselhou-me lentes orgânicas progressivas, com a graduação adaptada para o olho direito, acontece, quando fui ao oculista para substituir as lentes chamaram-me a atenção para o meu olho direito que tem um aspecto estranho (+ dilatado que o esquerdo), aconselharam-me a ir a uma consulta de retinografia.
    Necessito saber o que é a retinografia e é aconselhada pelos oftalmologistas em que situações ?

    Antecipadamente grata pela informação que possam prestar-me.

    M.Cpts/ Fernanda

    • Boa tarde Fernanda,

      A Retinografia é um exame de imagem que fotografa as áreas do fundo do olho, como a retina, a coróide, o nervo óptico e os vasos sanguíneos. Os métodos para a realização deste exame de visão são:

      • Retinografia Colorida (simples): consiste na fotografia do fundo do olho. O exame permite a documentação de alterações na retina e no nervo óptico, fundamental no acompanhamento de doenças progressivas.

      • Retinografia Fluorescente ou Angiofluoresceinografia: analisa a retina, a coróide e os vasos sanguíneos através de fotos obtidas com uma iluminação especial e com uso de filtros. O exame utiliza um contraste chamado fluoresceína que permite o estudo de camadas diferentes dessas estruturas do fundo do olho. É utilizado para o acompanhamento e diagnóstico de doenças como a retinopatia diabética, degeneração macular, oclusões vasculares da retina, entre outras.

      É interessante que você procure um oftalmolgista para um diagnóstico mais detalhado. Acesse o nosso site e venha conhecer a nossa Clínica Oftalmológica, teremos o maior prazer em atender você!

      Esperamos ter tirado a sua dúvida.

      Equipe Lotten Eyes. http://www.lotteneyes.com.br

-