Tomo remédios: meus olhos podem ser afetados

abr 28, 2010 por Lotten Eyes    Comentários desativados    Postado em: Cuidados com a visão

É comum os pacientes nos procurarem com queixas de sintomas oculares na vigência do uso de medicamentos sistêmicos. Quem sabe por isso vale a pena falarmos sobre este assunto.

A proposta não é a de causar qualquer clima alarmista, mas a de orientar para determinadas queixas que muitas vezes se mostram presentes e que, podem ou não ter significado, podem ou não colocar em risco a saúde de seus olhos, mas efetivamente merecem ser esclarecidas.

Os olhos são estruturas ricamente vascularizadas e com pouca massa tecidual. Assim não é infreqüente que drogas sistêmicas tragam efeitos colaterais nos olhos.

A amiodarona utilizada nas arritmias cardíacas pode se acumular na córnea e ainda causar opacidade de cristalinos, isto é, catarata. Os antimaláricos, utilizados hoje também no tratamento das colagenóses podem afetar a córnea e a retina. Os corticóides, importante recurso utilizado como anti-inflamatório e como coadjuvante de inúmeros tratamentos, merecem um destaque na relação entre estes e o aumento da ocorrência da catarata e do glaucoma. As drogas fotossensibilizantes como o psoraleno utilizado para tratamento de vitiligo e psoriase pode também aumentar as chances de se desenvolver Catarata.

Existem drogas que afetam as pálpebras, a conjuntiva e a esclera levando a lacrimejamento, alteração da tonalidade do branco do olho e até a vermelhidão. É o caso da clorpromazina, das sulfinamidas e até das tetraciclinas que em oftalmologia são frequentemente utilizadas para o controle de blefarite crônica.

Queixa freqüente e, principalmente em idosos é a de diminuição da lágrima e olho secos com sensação de areia. Nesta categoria de queixas vale ressaltar os anticolinérgicos, dos bloqueadores beta-adrenergicos utilizados para tratar a hipertensão arterial, e, até mesmo dos anti-histaminicos utilizados em quadros alérgicos.

Outra modalidade de apresentação destas manifestações está na pupila. Assim não é incomum que pacientes que façam uso de medicamentos que contenham atropina apresentarem-se com a pupila dilatada valendo o registro para a chance de se desenvolver glaucoma em pacientes com câmara anterior rasa quando fazem uso de estimulantes do sistema nervoso central como as anfetaminas. Os ansiolíticos (drogas moderadoras de apetite) também têm efeito sob a dilatação da pupila.

Drogas usadas para uso sistêmico como diuréticos, sulfinamidas e inibidores da anidrase carbônica podem causar quadros de agudização de miopia.

Os achados aqui descritos tem mérito na orientação de nossos pacientes. Como muitos dos termos são técnicos, caso haja alguma dúvida, aconselho que você procure seu médico e as esclareça. Vale lembra que, em conjunto com o seu clinico, alguns destes medicamentos podem ser substituídos, já outros simplesmente merecem ser monitorados.

Um abraço,

Claudio Lottenberg.

Comments are closed.

-