Navegação"Notícias"

Conjuntivite: São Paulo vive surto e fica em alerta

21 mar 2011 por Lotten Eyes    1 Comentário     Postado em: Notícias

A capital paulista está passando por uma epidemia de conjuntivite viral desde o mês passado. De acordo com informações do Centro de Controle de Doenças (CCD) da Prefeitura, em 45 dias foram registrados 50.405 casos da doença na cidade. Mas esse número pode ser ainda maior, já que muitas pessoas não procuram auxílio médico para tratar a conjuntivite. A epidemia foi decretada no Estado de São Paulo depois que surtos foram identificados no interior e se espalharam pelo litoral até chegar à capital. Segundo a Vigilância Epidemiológica do Estado, o surto começou em janeiro deste ano no oeste paulista, se propagou para as regiões litorâneas depois do Carnaval e se transformou em uma epidemia de origem viral.

Para se ter uma ideia da dimensão do problema, o pronto-socorro oftalmológico da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) está atendendo cerca de 400 casos da doença por dia – o esperado eram 60. No Hospital das Clínicas (HC) são ao menos 300 novos casos – o triplo do esperado para o período. Na Santa Casa, cerca de 70% dos 330 atendimentos diários são por causa da conjuntivite. No Beneficência Portuguesa, foram notificados 114 casos nos primeiros 15 dias deste mês.

A conjuntivite é uma doença cuja causa pode ser infecciosa, nesse caso ela costuma ser transmitida por vírus ou bactéria e pode ser contagiosa; alérgica, que costuma ocorrer em pessoas predispostas a alergias (como quem tem rinite ou bronquite, por exemplo), geralmente afetando os dois olhos, e não é contagiosa; e tóxica, que é causada por contato direto com algum agente tóxico, como colírios, produtos de limpeza, fumaça de cigarro, poluição do ar, sabão, sabonetes, spray, maquiagens, cloro e tintas para cabelo.

No caso da conjuntivite contagiosa, a transmissão da doença se dá pelo contato. Assim, estar em ambientes fechados com pessoas infectadas, o uso de objetos contaminados, contato direto com pessoas que estejam com a doença, ou até mesmo pela água da piscina são formas de se contrair a conjuntivite. Os casos desse surto em São Paulo foram associados à forma viral da doença, que é contagiosa e provoca coceira, vermelhidão e uma secreção aquosa nos olhos.

Para se prevenir da conjuntivite, é muito importante lavar as mãos com frequência. Para os que já estão com a doença, é fundamental tomar outros cuidados, como não colocar as mãos nos olhos para evitar a recontaminação e evitar coçá-los para diminuir a irritação na região, lavar as mãos antes e depois de aplicar algum medicamento, não encostar o frasco do medicamento nos olhos, além de suspender o uso de lentes de contato. E é imprescindível também que quem esteja com conjuntivite procure sempre um oftalmologista para o devido diagnóstico e tratamento.

Dr. Claudio Lottenberg no “Marília Gabriela Entrevista”

14 fev 2011 por Lotten Eyes    Comentários desativados    Postado em: Notícias

No último domingo de Fevereiro, dia 13, o Dr. Claudio Lottenberg foi o convidado do programa “Marília Gabriela Entevista”, no canal GNT. A entrevista fez parte da programação dedicada à saúde durante o mês de fevereiro. Ao longo da conversa com a apresentadora, o Dr. Claudio falou de temas como o comando do Hospital Albert Einstein, a criação de um complexo hospitalar sustentável, o seu trabalho no período em que foi Secretário Municipal da saúde, e até a questão do aborto.

Veja no vídeo abaixo um trecho da entrevista:

Fonte: http://gnt.globo.com/mariliagabrielaentrevista/Noticias/Medico-fala-sobre-a-legalizacao-do-aborto-no–Marilia-Gabriela-Entrevista-.shtml
Se você quiser ver o programa na íntegra, ele será reapresentado pelo GNT nos seguintes horários:
Terça (15), às 22h30
Quarta (16), às 5h00, 10h30 e 14h00
Sábado (19), às 14h00

Dilma compara vítimas do nazismo com as de ditaduras

28 jan 2011 por Lotten Eyes    Comentários desativados    Postado em: Notícias

A Presidente Dilma Rousseff comparou as vítimas do nazismo a todos os perseguidos e mortos por “ditaduras e guerras injustas”.

A presidente, que foi torturada durante o regime militar no Brasil (1964-1985), se emocionou ao falar da importância do “exercício da memória” quando participou de evento em memória às vítimas do Holocausto em Porto Alegre.

“Lembrar Auschwitz-Birkenau é lembrar todas as vítimas de todas as guerras injustas, todas as ditaduras que tentaram calar seres humanos”, disse Dilma, com a voz embargada.

Em discurso no evento da Conib (Confederação Israelita do Brasil), a presidente afirmou que seu governo não irá “compactuar com nenhuma forma de violação dos direitos humanos em qualquer país”.

Ela havia feito afirmação semelhante no final do ano passado em entrevista ao “The Washington Post”, ao ser perguntada sobre o apoio do governo Lula (2003-2010) ao Irã.

A presidente, que tenta fazer deslanchar em seu governo a Comissão da Verdade para examinar o período da ditadura, insistiu na importância da “memória”.

Segundo ela, “a memória é uma arma humana para impedir a repetição da barbárie”. Parte do discurso foi lido, mas Dilma também improvisou.

O evento de hoje foi a primeira visita oficial dela ao Rio Grande do Sul, Estado onde fez carreira política. O presidente Lula participou nos últimos seis anos do evento de 27 de janeiro, dia internacional em memória às vítimas do Holocausto.

A presidente afirmou ainda que o Holocausto “inaugurou uma época de violência industrializada”, com a “tortura científica”.

Antes de Dilma discursar, o presidente da Conib, Claudio Lottenberg, comparou as torturas sofridas por judeus durante a Segunda Guerra com aquelas que a presidente foi submetida na ditadura brasileira. “A senhora, presidente Dilma Rousseff, sabe melhor que todos o que significa ser torturada, [...] o que este tipo de agressão pode significar para alguém, por mais que sobreviva.”

Antes do evento, Lottenberg comentou o que chamou de mudança na política brasileira em relação ao Irã. Apesar de dizer que os ataques a Israel são do presidente do Irã, não dos iranianos, ele se disse “feliz em saber que a presidente [Dilma] tem posição diferente daquela que o presidente Lula manifestou no passado”.

Fonte: Folha de São Paulo, 28 de janeiro de 2011.

Medalha Moacyr Álvaro

23 abr 2009 por Lotten Eyes    Comentários desativados    Postado em: Notícias

No dia 6 de março de 2009, durante a abertura da 32ª Edição do Simpósio de Oftalmologia Moacyr Álvaro (SIMASP- UNIFESP), recebi a medalha Moacyr Álvaro, a mais importante láurea outorgada na área de oftalmologia em toda a América Latina. A medalha é concedida às personalidades que se destacaram pela atuação exemplar e dedicação excepcional em prol da saúde ocular, nos cenários nacional e internacional. Além de mim, foram homenageados também: Claes Dohlman do Departamento de Oftalmologia da Harvard Medical School, Miguel Giannini do Centro Ótico Miguel Giannini, Álvaro Ferrioli do Centro Ótico Miguel Giannini, Cristian Luco da Associação Panamericana de Oftalmologia e David W, Parke II da Academia Americana de Oftalmologia. Agradeço a todos pela honra de receber um prêmio tão importante αγορά cialis.

Um abraço,

Claudio Lottenberg.

-